Daniele V Silva - Webdesigner, desenvolvedor front-end, programador de interfaces, Gerente de projetos web, consultora e freelancer

via Instagram http://ift.tt/1MjULWm

Os efeitos da motivação social no Design para web

Publicado em , por , na categoria Ux - Design Emocional, Webdesign Tags: , ,

Introdução: Uma nova visão sobre o Design centrado no usuário

O design centrado no usuário sempre consistiu em observar o comportamento de seus visitantes e otimizar seu conteúdo e funcionalidades de acordo com as necessidades desses visitantes, mas nos últimos anos esse conceito vem evoluindo bastante.

Hoje, já não se trata apenas de garantir que o seu design seja funcional. Existem muitos outros fatores que precisam ser levados em conta, como as necessidades emocionais do indivíduo e suas motivações.

Antes de fazer um compra, pesquisamos em dúzias de sites, comparamos preços, funcionalidades e opiniões, por isso, muitos designers, principalmente fora do Brasil, se dedicam a pesquisas sobre como alcançar o engajamento e incentivar os usuários em suas tomadas de decisão e, principalmente para o varejo, sobre quais gatilhos funcionam para trazer para a web um conceito tão comum no ponto de venda, a compra por impulso, em um cenário onde o excesso de informação torna o processo de compra muito mais cuidadoso, planejado e consequentemente lento.

Nós hoje deixamos de ser simples observadores do comportamento humano, e passamos a ser influenciadores de suas ações.

É disso que se trata a série de artigos que vou trazer pra vcs nos próximos meses.

E para começar:

A influência social no design para web

Os seres humanos são animais sociáveis.  Esse instinto é tão forte que quando nos sentimos sozinhos, desamparados ou deslocados, qualquer interesse em comum é suficiente para que se formem grupos focados em defender algum interesse em comum, por menor que ele seja.

Pesquisa: O seu coração faz meu coração bater

O pesquisador David Cwir dirigiu testes muito interessantes que comprovam o quanto o relacionamento social pode afetar o nosso comportamento.

Nos dois estudos, cada participante foi chamado na primeira semana para preencher uma pesquisa com algumas preferências, interesses e informações pessoais.

Na semana seguinte, foram colocados em dupla com outro participante que, sem que soubessem, estava trabalhando para os pesquisadores, eles deveriam fazer algumas perguntas sobre interesses pessoais, para o outro, que planejadamente compartilhava a maioria dos interesses em comum, ou nenhum interesse em comum. A intenção era saber se seria criado algum vínculo entre os participantes com os mesmos interesses, e com base nas últimas perguntas, sobre se sentiam algum vínculo ou se desejavam conhecer mais sobre o outro participante, isso funcionou.

Em seguida foram realizado dois testes, no primeiro, um dos participantes deveria fazer um pequeno discurso em público, planejadamente, o que participava junto com os pesquisadores, então enquanto ele se preparava para o discurso mostrando um desconforto ou nervosismo com a exposição, o participante preenchia um questionário sobre as suas emoções. Como esperado, os participantes que compartilhavam os mesmo interesses de seus pares, demonstraram um completa empatia, eles se sentiam tensos, ansiosos e nervosos, por ver o colega nessa situação, mesmo sendo estranhos um ao outro, essa pequena conexão foi suficiente para causar níveis de stress muito parecidos entre os dois.

No segundo estudo, ainda mais interessante, um dos participantes foi convidado a correr no mesmo lugar por 3 minutos, enquanto monitoravam os batimentos cardíacos dele e do seu par.

Por incrível que pareça, os batimentos do par com afinidades também aumentaram só de observar enquanto o outro corria. O fato de terem interesses simples em comum, foi tão significativo, que criou um vínculo real entre os dois.

Pertencer e se identificar com um grupo é tão importante que experiências positivas ou negativas podem causar reações químicas e biológicas capazes de modificar completamente o comportamento do indivíduo. O medo da rejeição ou o desejo de aprovação são armas muito importantes para conseguir o engajamento dos seus visitantes ou até incentiva-los a tomar decisões.

Tipos de motivação social

A motivação social, ou influência social, descreve como os valores, comportamentos e crenças de um indivíduo são influenciados pelas expectativas (reais ou projetadas) dos outros. Os psicologistas Morton Deutsch e Harold Gerard determinaram  dois tipos de influência social: Normativa e Informacional.

Motivação social Normativa

É a necessidade de ser aceito e querido pelos outros. Assim, agindo como os outros, conquistamos a aprovação ou ao menos evitamos a desaprovação em um grupo, então agimos conforme acreditamos que os outros esperam de nós, sejam essas formas reais ou imaginadas.

Motivação social Informacional

Representa a nossa necessidade de agir sempre corretamente, então observamos os outros para aprender com suas experiências. Acreditamos se as pessoas do nosso grupo agem de uma certa maneira, essa é a maneira mais correta de agir, principalmente quando são pessoas mais velhas ou mais experientes.

A Influência Social Informacional, de maneira geral, entra em ação quando somos confrontados por uma decisão. As vezes até inconscientemente, procuramos pelos outros para aprovarem as nossas decisões,  somos copiadores, mas isso garante que nossas decisões são realmente efetivas e inteligentes.

No design para web, existem diversas formas de usar os vínculos sociais a seu favor.
Veja alguns deles a seguir

“The Mere Belonging” ou “A Necessidade de Pertencimento”

Não é a toa que na Pirâmide de Maslow, criada em 1943 pelo professor de psicologia Abraham Maslow, trata a “necessidade de pertencimento” de forma tão relevante. Para quem está familiarizado com a ideia, eu me refiro a imagem abaixo, uma pirâmide que estrutura hierarquicamente as principais necessidades humanas. As duas primeiras categorias, se referem a aspectos cognitivos básicos se sobrevivência: a fisiologia (respirar, comer, dormir e etc) e a autopreservação (física, familiar, profissional). O terceiro item dessa pirâmide, e primeiro aspecto absolutamente psicológico se refere aos aspectos sociais.

Maslows-piramide

Eu gosto de entender essa ideia como um constatação de que o principal aspecto para garantir a nossa sanidade mental, são as relações sociais.

Uma forma interessante criar o senso de grupo ou de pertencimento,  é através de um rótulo. Por exemplo: em projetos de caridade, expressões como “seja um doador” ou “seja um herói” causa mais efeito do que “Faça uma doação”.

doadorValidação social

Segundo essa pesquisa da Universidade de Princeton, quando vemos alguma pessoa em situação de dificuldade, o primeiro instinto é olhar em volta, se nenhum outra pessoa tiver notado a situação, ou se não houverem outras pessoas, é muito provável que tentaremos ajudar.

Quando existem outras pessoas no ambiente que notaram a situação, nós as observamos antes de qualquer ação, se elas estiverem ajudando, então é muito provável que tentaremos ajudar também, mas se ninguém demonstrar qualquer reação, dificilmente seremos os primeiros a oferecer ajuda.
Nós somos influenciados pelas ações ao redor, e online, isso não é diferente. Por exemplo:

  • Quando muitas pessoas estão comprando um produto, estaremos mais propensos a comprar esse produto também.
  • Quando muitas pessoas avaliam um modelo como positivo, é muito provável que escolheremos aquele modelo.
  • O mesmo para vídeos, quando buscamos por um clipe ou trailer de filme, por exemplo, estamos mais propensos a clicar naquele que tem mais visualizações.
  • Quando muitas pessoas estão fazendo doações, tendemos a doar também.

social validation

Enfim, as informações sobre a quantidade de pessoas que participam, aprovam ou indicam o seu produto, são fatores de decisão de compra.
E elas são ainda mais poderosas quando o usuário é capaz de identificar que o perfil dos visitantes é parecido com o seu como na pesquisa que mostrei acima.

O site Booking.com é um ótimo exemplo. Ele dividiu os usuários por perfil de viajante (grupo de amigos, casal, viajantes individuais, negócios, etc) dessa forma, a avaliação de um usuário individualmente faz muito mais sentido. Por exemplo, se dezenas de “casais” qualificarem um hotel como positivo, e um “viajante individual” avaliar como negativo, essa única avaliação pode ser mais importante para um outro “viajante individual” do que todas as outras junto.

social validation2

 Popularidade

Como explicado anteriormente, as pessoas tendem agir diferente quando existem outras pessoas ao redor, existe uma necessidade de mostrar que estamos engajados, que compartilhamos as mesmas opiniões, e por isso reafirmamos cada uma delas sempre que possível.

socialComo prova disso temos as páginas do Facebook e as antigas comunidades do falecido Orkut, que foram criadas com o propósito de se tornarem um fórum de discussão, mas acabaram virando um painel de exibição das suas preferências pessoais. Antes de saber se queremos ser amigos ou até contratar alguém para uma vaga de trabalhamos, olhamos as páginas que curtiram (entre outras preferências), se houver afinidade então há chances de ser aprovado.

O raciocínio aqui é bastante lógico:

  • Se muitas pessoas curtem, gostam ou seguem uma pessoa ela deve ser interessante
  • Se pessoas que eu admiro curtem, gostam ou seguem uma pessoa ela deve ser realmente interessante
  • Se pessoas dentro do meu grupo curtem, gostam ou seguem uma pessoa ela com certeza é interessante

Portanto, se vc tem uma página no Facebook, Linkedin, Twitter ou etc, use a seu favor

 

Referências:

http://blog.usabilla.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *